Renata Abreu pede providências urgentes de combate à febre amarela

Brasileiro está mais consciente de sua responsabilidade social, mostra pesquisa
24 de outubro de 2017
Renata Abreu busca alternativas para ajudar Poá a sair de crise financeira
27 de outubro de 2017

Renata Abreu pede providências urgentes de combate à febre amarela

A deputada Renata Abreu (Podemos-SP) solicitou ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, providências em relação ao controle da febre amarela no município de São Paulo. O objetivo da parlamentar é obter informações sobre políticas públicas que serão implantadas para o combate à doença.

Recentemente, um macaco foi encontrado morto no Horto Florestal, Zona Norte da Capital e exames sorológicos e histoquímicos constataram a presença do vírus da febre amarela. A morte do macaco foi da febre amarela silvestre, transmitida pelo mosquito haemagogus, comum na mata. Apesar de ser hospedeiros do vírus, os macacos não transmissores, quem o faz são os mosquitos Aedes aegypti, após picarem alguém já infectado.

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus que possui dois ciclos distintos de transmissão: silvestre e urbano. Devido a sua gravidade clínica e o elevado potencial de disseminação em áreas urbanas que são infestadas por Aedes aegypti, são necessárias que ações de emergência sejam decretadas para combate do surto.

Até agora houve 22 casos e 10 mortes por febre amarela silvestre no Estado de São Paulo. O surto neste ano foi o maior no País desde 1980: entre dezembro e junho, foram confirmados 777 casos, com 261 mortes.

“Os dados causam preocupação, e isso tem gerado grande apreensão. É uma situação grave e que exige medidas imediatas e de alta efetividade”, explica a deputada Renata Abreu. “Em razão dessas relevantes questões, é imprescindível que o Congresso acompanhe de perto as ações do Ministério da Saúde e, por este motivo, torna-se necessário o repasse das informações referentes”, diz a parlamentar, que protocolou hoje requerimento no Ministério da Saúde.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *