Renata Abreu diz que cláusula de barreira objetiva barrar crescimento dos pequenos partidos

Para 60% da população, idosos não são respeitados, diz estudo da OMS
30 de setembro de 2016
Câmara abre consulta pública para texto sobre reforma do ensino médio
18 de novembro de 2016

Renata Abreu diz que cláusula de barreira objetiva barrar crescimento dos pequenos partidos

Em entrevista à Rádio Câmara, deputada do PTN-SP critica PEC da Reforma Política aprovada na CCJ do Senado

 

A deputada federal Renata Abreu (PTN-SP) foi entrevistada no programa Jogo Rápido, da Rádio Câmara, falando sobre Reforma Política. Perguntada se acredita que, desta vez, há possibilidade de votação sobre o tema, já que uma nova comissão vai ser formada na Câmara, a parlamentar foi direta: “Sinceramente, não acredito” Renata participou da comissão especial instalada ano passado, quando o projeto foi amplamente debatido.

 “Eu sou uma grande defensora de uma constituinte à parte para debater o tema da reforma política, porque colocar os jogadores para decidirem as regras do jogo não vai dar certo de novo”, declarou Renata.

A PEC da Reforma Política, que já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado e que deverá fazer parte das discussões na Câmara, institui cláusula de desempenho partidário de 2% dos votos válidos em pelo menos 14 unidades da federação a partir das eleições de 2018, e de 3% a partir de 2022. Isso significa que apenas aos partidos que atingirem a cláusula de barreira será assegurado o direito ao funcionamento parlamentar. Ou seja, só esses partidos terão direito ao fundo partidário, ao acesso gratuito ao rádio e à televisão e ao uso da estrutura própria e funcional nas casas legislativas.

Para a deputada do PTN-SP e presidente nacional do partido, muito se fala em reforma política como a solução dos problemas do Brasil.

“Aqui, no Congresso, reforma política se resume a cláusula de barreira. E aí entra o grande debate de achar que a atual aversão popular aos partidos se resolverá com uma reforma política. Ouvi até uma declaração do nosso presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que é preciso trabalhar bem a reforma política para amenizar essa crise de representatividade política no Brasil. Não é a mudança do sistema eleitoral que vai mudar essa realidade. As pessoas estão insatisfeitas é com as atitudes dos partidos e dos políticos. O que precisa mudar é a nossa forma de promover a democracia e de fazer política no País.”

Renata também comentou sobre o projeto de reforma política aprovado pela CCJ do Senado.

“Ele se limita basicamente à cláusula de desempenho, que cria regra de um mínimo de votos para que um partido tenha acesso ao Fundo Partidário e tempo de televisão. O que isso significa? Significa que uma cláusula de 2%, por exemplo, calaria a voz de 40 deputados, ou seja, 10 milhões de votos jogados no lixo, porque esses parlamentares pertencem a partidos que não atingiram essa porcentagem de votos nacionalmente. A cláusula de desempenho beneficia apenas os grandes partidos. Será mesmo que o povo se sentiria representado se houvesse, hoje, apenas dois ou três partidos, justamente esses que estão envolvidos em tantos escândalos de corrupção?”

Para endossar sua luta contra a cláusula de barreira, Renata ressalta que os partidos que mais cresceram nas urnas foram os pequenos, porque, segundo ela, são eles que estão dando oportunidade para novas lideranças e novas caras na política.

“E isso, obviamente, vem incomodando os grandes partidos, que estão se mobilizando para tentar frear esse crescimento. É uma coisa que nós não podemos aceitar. O pluripartidarismo é essencial para a democracia. Se o povo se sente representado por dois ou três partidos, que se votem nesses dois ou três, isso é democracia, ninguém é obrigado a votar em 28 partidos. E por que acontece isso? Porque, na verdade, nenhum partido nos representa.”

Para ela, os partidos estão estagnados, com bandeiras estáticas e envelhecidas, e precisam ser repensados e modernizados como agremiações políticas.

“Não será uma cláusula de barreira que vai mudar essa realidade, mas o povo não pode permitir que essa regra seja criada e que venham a calar milhares de vozes brasileiros. Quem decidir se vai ter três, 10, 20 ou 50 partidos é o povo, por meio da democracia. Infelizmente, a reforma política acaba se resumindo sempre a essa tentativa de frear o crescimento de legendas pequenas. Como há muitas divergências, não há nem consenso sobre o sistema eleitoral de lista fechada ou mista, vejo que será muito difícil avançar nesta questão. Acho que um grande ganho de reforma política seria avançarmos em mecanismos de democracia direta e de participação popular, para que todos os cidadãos possam participar da política e das decisões do País, não só na hora das eleições, mas durante todo o mandato dos nossos parlamentares.”

Como causas em defesa da democracia direta e participação, Renata Abreu aponta os projetos de iniciativa popular, que seriam mais numerosos se se reduzissem o número de assinaturas para serem protocolados na Casa.

“Hoje é mais fácil montar um partido político no Brasil do que protocolar um projeto de iniciativa popular. Isso é inaceitável!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *